Critérios para recrutamento, seleção e admissão de Auditores


A admissão de um novo auditor na equipe é tarefa para ser conduzida com extremo cuidado, por parte do Gerente de Auditoria Interna.

Deve-se sempre ter em mente, que a organização julga o Departamento de Auditoria Interna, a partir de cada membro, de cada Auditor de campo com que está tendo contato, e por isso, é preciso que todos os membros do Departamento gozem de prestígio e admiração entre os auditados.

Há também que considerar-se o impacto que o novo membro causará na equipe já existente: se o nível do recém admitido for bom, ele será visto pelos colegas, como fator de revitalização e ajuda, mas se o recém admitido revelar-se inoperante e despreparado, ele será um peso para os demais membros da equipe.

Tal é a importância da escolha de um novo Auditor, que não hesitamos em afirmar que é melhor manter o Departamento de Auditoria com falta de pessoal, do que adicionar um novo membro que seja inadequado.

Por outro lado, não deve o gerente descuidar-se quanto ao tamanho do Departamento, já que, sem contar com adequada quantidade de auditores, não será possível produzir trabalhos em tempo oportuno e em escala que atenda às necessidades da organização.

Nunca será demais repetir, que o verdadeiro desafio para a Auditoria Interna, é tornar-se confiável à Diretoria, ganhar o seu apoio, converter-se em órgão de efetiva utilidade para a alta Administração da Empresa, e, é claro que essa confiança só será conseguida, se a Auditoria Interna se mostrar à altura dos desafios. Parte do desafio consiste em estar no lugar certo, e isto muitas vezes é uma questão de contar com adequada dimensão quantitativa de seu quadro.

 

Contratar Pessoal de fora ou Promover os que já fazem parte da Equipe?

A execução de serviços da Auditoria Interna vem ao longo do tempo, evoluindo em complexidade e dificuldade, em função da própria expansão física dos negócios das empresas, e especialmente em função da introdução de novos e complexos subsistemas operacionais e de controle dentro das mesmas.

O crescimento das empresas gera intensa especialização de seus empregados e de seus equipamentos, segmentando fluxos operacionais e diluindo responsabilidade, tudo isto se refere ao seu afã de obter uma “visão de conjunto”, como para o ordenamento de exames detalhados.

Tão grande é a rapidez com que as coisas evoluem, tão denso é o teor das mudanças, que a própria Auditoria Interna acaba por abrigar (e estimular) um processo de especialização, empregando Auditores especializados em Sistemas Computadorizados, e Auditores especializados em Legislação Tributária, por exemplo. Sendo essa a seqüência dos fatos, e não superadas as dificuldades de treinamento interno, verifica-se que na maior parte das vezes, não resta outra escolha ao Gerente de Auditoria, senão contratar elementos de fora, que já estão “prontos”, atualizados e competentes nas novas técnicas e matérias especializadas.

Se por um lado, a contratação de elementos de fora, nestas circunstâncias, não deve representar nenhum demérito para os membros da equipe já existente, por outro lado, este processo não pode ser infinito e eterno.

Há que se pensar efetivamente em melhorar os níveis dos atuais membros da equipe, através de intenso treinamento em campo, e treinamento por meio de cursos externos, para que, num prazo médio, o preenchimento da vaga possa ser feito através de um processo de promoção interna, limitando-se a contratação de elementos de fora aos casos da ampliação do quadro.

Fonte: Curso Formação de Auditores Internos

Previous Papéis de Trabalho de Auditoria
Next Canal de Denúncia: ferramenta pode evitar perdas financeiras e danos à imagem da companhia

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *