Fases de uma Auditoria


O processo de se efetuar uma auditoria deve contemplar as seguintes fases:

Planejamento Inicial;

Análise do risco;

Execução do trabalho, e

Resultado final.

 

PLANEJAMENTO INICIAL

Nesta etapa são atualizados os conhecimentos sobre o cliente e/ou seu entorno econômico; é lógico que, se o cliente é novo para o auditor, esta atualização é transformada em obtenção do conhecimento necessário para executar o trabalho.

Os passos comumente seguidos nesta etapa são:

  1. Carta de encargo: trata-se de um contrato onde é definido por escrito o acordo do trabalho, evidenciando o alcance e os objetivos a serem alcançados por este.

Este contrato deve conter, pelo menos, os seguintes itens:

Objetivo e alcance do trabalho;

Honorários e número de horas de trabalho estimado;

Período abrangido;

Possíveis limitações;

Indicação de que os relatórios contábeis são de responsabilidade do cliente;

Indicação de que não haverá limitação de escopo, naquilo que depender do cliente;

Confirmação escrita do encargo (assinatura do contrato);

Outros, tais como contatos com os auditores anteriores, datas de entrega dos relatórios,     data e forma de pagamento, etc.

  1. Obtenção de conhecimento e/ou atualização, referente a particularidades do cliente e seu entorno econômico.

Esta parte do trabalho visa:

Pinçar as áreas com maior risco potencial da empresa;

Saber qual o grau de subjetividade aplicado nas áreas dos relatórios, que é o que gera        maior risco de erro;

Saber se existem transações pouco usuais.

Para podermos entender como funciona o negócio do cliente, é necessário que:

-saibamos de que forma, fatores externos afetam a empresa, tais como fatores econômicos, grau de liderança, as normas fiscais, etc.;

-saibamos quais são os fatores internos que afetam suas operações, tais como políticas de pessoal, sindicatos, etc.

  1. Revisão geral analítica dos relatórios e/ou de outras informações de interesse.

Esta revisão normalmente consiste de alguns procedimentos tais como:

– Comparação de dados absolutos (ex: vendas totais do ano X1 com as vendas totais do ano     X2, ou a relação vendas CPV de ambos os períodos).

– Revisão de determinados índices tais como os de liquidez, rentabilidade, etc.;

– Comparações de orçamentos e projeções;

– Estudo do ponto de quebra da empresa;

– Aplicação, quando for o caso, de técnicas de regressão.

  1. Determinação da cifra de importância relativa (IR). O conceito de importância relativa que atende os objetivos de auditoria é definido como aquele valor de erro nos relatórios contábeis que, enquanto não seja superado, não levará o Auditor a fazer qualquer comentário adicional, na opinião, pois não desvirtua a imagem fiel no conjunto dos relatórios;
  2. Memorando de planejamento de auditoria. Trata-se de um papel de trabalho que documenta e informa à equipe, sobre as decisões gerais do trabalho a ser executado, este memorando contem, geralmente:

– descrição analítica do cliente e o serviço a ser prestado;

– avaliação preliminar do entorno;

– assuntos importantes já detectados;

– cifra da importância relativa;

– plano geral de trabalho;

– outros.

Veja mais assuntos publicados sobre Auditoria Interna


There is no ads to display, Please add some
Previous Contabilização de doações – Terceiro Setor
Next Definição de custo, despesa e perdas – Auditoria de Custos

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *